331 000
 

BRASÃO

  Durante as comemorações pelos 150 anos da cidade, em 2001, foram feitas mudanças na Bandeira e no Brasão de Armas do município, que havia sido instituído pela Lei Municipal nº 267, de 07 de outubro de 1969. As modificações foram feitas pelo historiador Newton Barbosa de Castro, levando em consideração aspectos relacionados à história e a economia da cidade.
  Entre as referências do novo Brasão estão o Rio Cágado, que originou o nome do antigo Arraial do Cágado, primeiro nome do município, a devoção à padroeira Nossa Senhora das Mercês e a Ordem dos Mercedários, Barão de Ayuruoca e Barão de Além Paraíba, que nas fazendas produtoras de café geraram muita riqueza para a região e foram importantes benfeitores do município.
  Também são lembradas atividades econômicas importantes para o desenvolvimento da cidade, como a extração do mármore, a indústria da lapidação de diamantes, que no passado contribuiu muito para o progresso econômico do lugar, e a pecuária, que hoje é uma das bases da economia.
  As portas abertas simbolizam a vocação da cidade para receber os que vêm em busca de abrigo e segurança. E as inscrições recordam a emancipação à categoria de Vila, em 1851 (à direita), e a elevação à categoria de cidade, em 1859 (à esquerda). No centro do Brasão aparece o nome do município.

Arms_of_the_city_of_Mar_de_Espanha.png

HINO DA CIDADE

Composição:Maestro Joaquim D. Gouveia

Poema: Lacyr Schettino

Entre altivas montanhas plantado,
Mar de Espanha cem anos perfaz!
No presente como no passado,
Seus anseios se firmam na paz!

O teu nome de sonho e beleza
Lembra a Ibéria formosa e gentil!
"Mar" de Minas que espelha a pureza
De uma estrela dos céus do Brasil!

Que ressói a vibrar na montanha
O teu Cântico em vozes iguais
Para o teu nome erguer, Mar de Espanha
Dos mais nobres de Minas Gerais

Das ladeiras nos suaves declives
Quantas lutas e glórias passaram
Hoje, ativa graciosa, revives
A lembrança dos que te plasmaram
Corações idealistas e puros
Batalharam por verte florir,
Seus cem anos sadios, maduros,
São o esteio de um novo porvir.

Que ressói a vibrar na montanha
O teu Cântico em vozes iguais
Para o teu nome erguer, Mar de Espanha
Dos mais nobres de Minas Gerais